quinta-feira, 4 de junho de 2015

Anexo


Submetida a conviver com uma situação acentuada, desconfortável, mas benevolente batalha de amor, onde as opositoras sequer sabem mesmo brigar, no entanto estão sempre armadas prontas a atacar. 

Na verdade se amam e se detestam, se irritam e se dedicam, não decidem e não sabem onde querem chegar, na verdade não tem onde chegar, não tem o que ganhar, e nem percebem que estão a perder. 
Perdem um tempo que não volta mais, perdem oportunidade de viverem momentos únicos, perdem carinhos que são esperdiçados por tolices, ou será que não perdem, pois talvez imaginem que estão ganhando uma nova história, diferente do habitual. 
Tecida de intrigas, ciúmes, malícias e falta de respeito, mas que não passam de excesso de liberdade, carinho e cumplicidade. 
Conversas escandalosas que geram desconforto em todos que estão ao redor, não nas antagonistas em questão, entre elas fica ou está tudo bem, trocam favores entre gritos, desafetos, abraços, enfrentamentos, sorrisos e dessabores, seguem a vida entre consertos e estragos, harmonia ou tempestade, enquanto que eu, no meio disso tudo, desse fogo cruzado, totalmente desnorteada,  fagulhas das labaredas me atingem a todo momento, não sei como discernir quando é briga esta fadiga, ou quando é amor em meio ao clamor e a intriga. 
Só me resta participar, mesmo sem querer, desta guerra virtuosa, sem perecer ou ao menos me irritar, sofrer ou tomar partido, sem considerar alguém santo ou pervertido.
Entre uma das oponentes não posso optar de que lado devo estar, pois conheço cada uma intimamente com peculiaridades e situações dessemelhantes, porém o amor é congênere não tem como aquilatar ou descrever, é difícil entender e nem posso defender, nem tão pouco ajudar, a não ser amar e amar, de maneira especial, cada uma, cada qual.
E finalizando este conto pra ficar bem entendido, com uma frase curta e explicativa sem prologar a história, a verdade é que o meu apego e meu pespego se explicam facilmente assim.
É que, eu saí de dentro de uma,
 e a outra saiu de dentro de mim. 

Postar um comentário