quarta-feira, 18 de julho de 2018

Concordando.

Costumo dizer que, eu particularmente, tenho a sorte ou o azar de adivinhar as coisas, prever o final, imaginar o desfecho de situações no presente. Digamos que talvez seja dom, mas pode ser maldição ou simplesmente intuição, todavia o interessante é que em determinadas circunstâncias da vida eu sei onde aquilo vai terminar, eu sei mais uma vez onde vai dar, porém continuo a insistir, na esperança de que eu esteja equivocada daquela vez, mas infelizmente quase sempre eu me engano é com esta esperança de estar enganada.  então quando alguém acha que está me fazendo de idiota ou tentando me manipular, tenho pena, só pena, pois sou boazinha demais, dou corda, aceito tudo, concordo com tudo, sou alegre, companheira e até pareço aventureira, como se tivesse acreditando e aceitando tudo, mas mesmo assim eu dou corda, dou corda mesmo! Eu dou corda pra pessoa se enforcar, pois não há nada mais perturbador para uma pessoa do que ela mentir pra você sobre algo, no intuito de gerar uma discussão e você concordar e sorrir. Isso se a pessoa entender, pois é claro que algumas pessoas não têm muita inteligência suficiente para perceber sua ironia e continuam a pensar que estão com a corda toda, não sabendo que a corda lhe foi dada e não puxada, como diz um velho ditado, quem ri por último, ri melhor e não há nada melhor que um dia após o outro, das coisas que o mundo faz, dar voltas é melhor de todas já disse o poeta.
Eu sou faladeira mesmo, detesto mal entendido, então faço sempre a minha parte, gosto de falar, explicar, argumentar sobre tudo, me expressar e sou prestativa, mas só quando sou boa.

Quando sou ruim eu me calo e desprezo.
Lembre-se, se você precisar cobrar atenção de alguém ou perguntar o que esta pessoa sente por você, não seja ingenuo, você já sabe a resposta.

 

Ocupados



Um tipo de sofrimento é a solidão.
O que sofre pode estar rodeado de pessoas e sentir-se só.
Só, sem aconchego, só, sem alento, sem esperança, fatigado, faminto, sedento.
Sede de carinho, amor e atenção.
Passamos pelos tais e nem percebemos, ocupados com nossos umbigos, levados pelo vento.
Distraídos com tantas telas, desprezamos insanamente, peles,  olhares, toques, envolvimento.
Seguindo voluntariamente um caminho de distração.
Não demora sermos os próximos a sofrer de solidão.




Imagem Google


quarta-feira, 11 de abril de 2018

Memórias SS

Diário de uma  suicida sobrevivente, redigido em tempos de crises  de polo negativo, compartilhado em tempos de  abundância de  vida, sem mania, com sobriedade.


"As vezes me  pego a pensar se esta insistência em permanecer viva é mesmo necessária, não estou a me fazer de vítima ou coitadinha, apenas desabafo da forma que sei fazer, uma vez que todo este mundo parece vomitar-me dele dia após dia. Não me encaixo nos padrões, não me adapto à rotina comum. Não que eu não queira, apenas não me são favoráveis ou alcançáveis. Certo dia li uma frase de um colega angustiado  pelo silêncio que vida lhe  causava, que  dizia exatamente assim: "Suicidas  são apenas  anjos que querem voltar para casa". Fiquei a pensar nisso, será que   são anjos  ou apenas seres humanos enfraquecidos influenciados por demônios, que por sua vez, são anjos, mas caídos, expulsos  da convivência gloriosa com Deus. Uma vez destituídos de suas posições não podem mais voltar, pelo contrário, estão condenados ao tormento eterno, certamente vivem tentando diuturnamente os seres humanos para que sejam condenados tal como  eles.
É um pouco estranho eu ter conhecimento de todas estas coisas, além disso creio em forças do mal como citei acima, assim como creio nas forças do bem, isto porque eu já os vi, mas graças a Deus ha tempos não vejo mais divindades, não sei  ao certo o que aconteceu, mas prefiro assim, sem vê-los, mas não deixo de acreditar e mesmo assim, em crises de  polo negativo  que me  deixam abaixo  de  zero por cento de otimismo, de  uma forma tão  avassaladora que já tentei contra minha vida inúmeras vezes. 
Acho  a vida difícil  demais, são tantas coisas impostas  em nossas mentes  que desconfio que somos treinados desde que  nascemos  para viver aqui  neste mundo seguindo  padrões,  costumes, religiões. Até mesmo uma simples cor  é imposta e  se torna  costume, hábito  ou regra universal. Seríamos robôs?  Provavelmente não,  até porque o índice  de defeitos é bem  grande, como doenças físicas e psicológica  por toda parte,  certamente  somos só  meros mortais mesmo, a  maioria  lutando para  sobreviver.
De todas  as vezes  que tentei  sair  daqui a ultima vez me marcou   demais tanto  físico como emocionalmente,  ao ponto de não tentar outra  vez. Mas  mesmo  assim a  vontade de  findar  por  aqui  é  constante.  O mundo nos  impõe  tantas coisas,  minhas  lembranças   variam e  há  dias  que minha mente é tão  confusa  que não sei discernir o que  é fato  e o que é feito  por minha mente. A incredulidade do mundo  me inibe a declarar de fato  o que me aconteceu e acontece,  então a verdade que está viva e nítida em  minha memória  se torna confusão. Confusão de minha mente  que varia entre dois polos, transtornada  pelo que haveria de ser e não sou. Não por culpa de ninguém, mas por escolhas  que fiz em toda  minha vida, algumas  tiveram bons resultados, outras  nem tanto. Mas nesses  momentos   de  fraqueza, reclamo, murmuro  e  sempre tem alguém  a me dizer que apesar de tudo, de todos os problemas de  saúde e  finanças, você está viva, então eu  me pego a pensar se isso realmente é uma  vantagem, será verdadeiramente um  premio, um conforto.  Nesse momento  sinto  a vida como uma prova   de resistência que  não sei  quanto  tempo ainda  durará, fico  pensando  que este desafio  só vai aumentando  as  responsabilidades e pergunto quanto tempo ainda mais  conseguirei resistir?  Francamente não sei, aliás não sei de nada, só  sei que por fora dessa personalidade  confusa e louca existe uma mulher sorridente e aparentemente  tranquila  que procura dar o seu  melhor, ser melhor a cada dia aos que lhe rodeiam, pois ninguém tem  culpa  do  que ela leva  como bagagem, então não descarrega o lixo  encima dos  outros, mas no  seu  interior vive  um  dia de  cada vez aguardando que o  juiz finalize a prova." 

quarta-feira, 28 de março de 2018

Bipolar.


Como dar uma definição a respeito desse blog?
Eu nunca consegui dizer do  que se trata isso  aqui, sempre tem um pouco de tudo, ou as vezes nada, por isto sempre deixei em aberto minhas intensões aqui, talvez por medo de assumir a verdade, encarar a realidade, mesmo  que seja tão  obvio perceber o  estilo das publicações, a  bipolaridade  contida  nos  textos e postagens. Em épocas que estou bem presente escrevendo, publicando,  editando,  modificando  a  aparência de acordo  com  o  polo de humor que  estou no  momento não consigo  dar um  nome  e uma definição  sobre  este canal, apenas escrevo o meu nome, pois pra mim já basta, é suficiente dizer que meu nome é Neimes e isso é dizer  que não existe outra, talvez  exista, mas não tenho conhecimento. E ser eu, é ser única, diferente, confusa,  curiosa, criativa, copiativa,  sorridente as vezes e chorona demais. Por muitas vezes  perdida em meu  próprio mundo, iludida com minhas próprias ilusões, apaixonada por minhas próprias  criações amorosas, decepcionada com minhas percepções,  mas sou eu, eu sou assim, muito muito pouco do que eu queria ser e muito além do que eu jamais imaginei que seria, apenas sou eu, um oceano de perturbações, sentimentos incertos, compromissos  submersos,  atitudes desesperadas,  inesperadas,  ações  e reações adversas. Me entender não é fácil, eu que o diga.

Eu não escolhi ser assim, muito menos gostaria de ser desse  jeito, eu até acho lindo as frases de auto ajuda  que dizem que  você  não precisa ser o que fizeram  de você, mas pode escolher o que quer ser, mas isso na minha realidade não funciona. Não  consigo ser diferente, certamente que vivo tentando, mas, quanto mais eu tento, mais eu sofro, é como se fizesse um cavalo usar calças. Minha cabeça funciona diferente, eu já sei disso, maquinando coisas, planejando e desistindo antes de iniciar.
As vezes tenho vontade de provar a verdade de tudo, detesto  mal entendido e minha vida é um completo  desentendimento, tento falar pra quem me interessa, como sou e como lidar comigo, mas tudo piora, sinto necessidade de deixar claro o  que me tornou esta pessoa, porque sou assim, mas pra que  fazer isso? Se o que me  aconteceu já doeu  tanto e me  esforço pra esquecer. R
elembrar, trazer  a tona poderia começar todo o processo novamente,  e apesar  de ainda ser frágil e confusa, hoje me sinto muito melhor e mais lúcida que ontem e amanhã provavelmente melhor que hoje, talvez até me arrependa de ter feito este depoimento e o apague ou simplesmente nem o leia mais.
Apesar de tudo, sou muito grata a Deus e feliz por ter uma mente sã e um corpo são, mesmo confuso, procuro não fazer bobagens demais, procuro errar menos e para isso me isolo, me  abstenho e para isso fico fechada em meu mundo que é só meu, com  meus medos, angústias e traumas, sem ofender ninguém ou o menor número possível, pois eu sei que ser eu não é fácil, então, conviver comigo também não deve ser.
A partir de hoje, procurarei ser o mais clara e honesta possível em minhas publicações, pois será um prazer  compartilhar com pessoas que se identificam comigo e assim nos ajudarmos, pois como disse um velho amigo meu; "Valeu e valerá sempre, se minhas dores curarem você"!
Eis aqui uma mulher cheia de defeitos e qualidades, lúpica e bipolar, consciente e em tratamento há mais de vinte e cinco anos.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Passado é passado, quem dera se fosse.



Viver é uma tarefa difícil, muitos já disseram e mais ainda repetem constantemente que a maioria das pessoas apenas existem. Eu também já mencionei isto anteriormente e não é somente o que gostaria de dizer agora, mas sobre algo que impede-nos de viver de forma mais fácil e por consequência mais feliz também.
As vezes nos preocupamos tanto com o futuro que esquecemos de viver o presente, isso é fato comum e até compreensível, mas outra coisa que  nos impede muito de viver o presente é o passado, não só o nosso passado, mas o passado de quem está ao nosso lado. Ficamos tão focados em ter ciumes do passado do outro que não nos colocamos em seu lugar, nos esquecemos que também temos passado, com experiências boas e ruins, talvez com defeitos e pecados diferentes, mas que também são bagagens que pesam bastante se não decidirmos deixar tudo para trás, lá onde está.
Seria tão mais fácil zerar o ''velocímetro'' de experiências e memórias das pessoas cada vez que se inicia um novo relacionamento, porém não é assim que funciona, portanto cabe a cada um a escolha de viver o presente ou se atormentar com o passado, construir lembranças novas ou ficar voltando às antigas procurando sofrimento em coisas. Temos que entender que o passado nos trouxe experiências, boas e ruins, algumas nos deixaram mais maduros, outras nem tanto, mas entendermos que a pessoa só é o que ela é hoje devido ao que viveu, se foi importante se foi banal não cabe a ninguém julgar, mas aceitar, cada um com sua bagagem, cada qual com seu bem ou mal,  pois ninguém zera velocímetro  por causa de ninguém, mas o passado é só referencia e nunca residencia.

Compartilhando

Alguns poemas tão antigos e tão bonitos,
inspiradores,
como este anexado nesta postagem.

Se compartilho já está óbvio e dispensa justificativas.








[Autor: Henry Howard - O caminho Dourado]


domingo, 20 de agosto de 2017

Muito certo comigo.


Nascidos em 4 de Março



Os nascidos em 4 de março são capazes de viver e trabalhar em isolamento sem terem muito contato com o mundo exterior. Embora muitos não escolham conscientemente o isolamento, no entanto, este sempre acaba sendo um tema importante e recorrente em sua vida, de forma que repetidas vezes se encontram isolados física, emocional e espiritualmente dos seres humanos ou do ambiente.
No entanto, para a maioria dos nascidos neste dia ficar só não é uma experiência solitária, mas certamente uma chance de ser produtivo. Mesmo quando convidados para sair e se divertir, podem preferir ficar em casa, não por medo ou negativismo mas, simplesmente, porque acreditam que se divertirão mais. Os mais evoluídos ou criativos vêem seu isolamento relativo como essencial para desempenharem melhor seu trabalho. Seu poder de concentração é, em geral, excelente e, como se sentem à vontade consigo mesmos, enfrentam poucas distrações ou ansiedades quando estão sós.
Socialmente, os nascidos neste dia, em geral, preferem a companhia de uns poucos amigos íntimos em vez de um grande número de relações superficiais. A intimidade tem um significado muito especial para os nascidos em 4 de março, que tendem a buscá-la tanto nas relações quanto em seu ambiente. Os nascidos neste dia sentem-se, em geral, felizes em espaços modestos e seguros onde estejam cercados por objetos que adoram. Quando em lugares maiores ou pressionados por multidões podem se sentir um pouco inseguros.
No entanto, quando participam de acontecimentos sociais nos quais se sintam à vontade, são capazes de ter o mesmo sentimento de intimidade especial e compartilhá-lo com os outros.
Montar e administrar qualquer tipo de casa ou escritório é algo natural para essas pessoas que gostam do aconchego. Gostam do que é confortável, simples e elegante, talvez porque suas necessidades materiais tendem a ser modestas e não se deixam impressionar particularmente pelo luxo.
Os nascidos em 4 de março encontram grande satisfação em compartilhar os resultados de seu trabalho com pessoas que nem conhecem. Saber que alguém gostou do que fizeram pode significar mais para eles do que encontrar o admirador cara a cara, o que poderia até constrangê-los. Sua timidez é uma qualidade cativante, mas os nascidos neste dia também devem aprender a ser agressivos quando necessário e a defenderem o que querem. Podem descobrir que o que aprenderam por conta própria será útil no momento de serem mais agressivos.


Fonte: Brasilastral.net