segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Amigo desconhecido.


O dia em que falou comigo, totalmente desconhecido,
Não era estranho, mas, estrangeiro. 
De uma terra bonita e rica, a terra dos mineiros.

Pra não ser tão inocente, tentei ser atrevida, 

Te fiz uma pergunta pra saber da sua vida.
De propósito capciosa, para analisar sua reação,
e não somente a resposta pra minha indagação.

Atencioso e interessado colocou-se a responder, 

Deixando claro que sua intensão era só  me conhecer.
Não tinha maldade era fascínio 
Naquele encontro casual que nos proporcionou o destino.

Ainda a pouco te conheço e muito te estimo,

Por ser  boa pessoa, um grande homem, um bom menino.

Agradeço a Deus por tua vida e pela a amizade também.

Peço a Ele que te guarde, protegendo de todo mal, amem! 

Novo



Final de um, inicio de outro. Invariavelmente o mesmo seguimento, tradições, legados, heranças passadas de geração a geração envolvem esta data especial a virada do ano. Festividades, comemorações de todas a espécies, gostos e credos. 

Uma confiança que se tem e não falta nos preparativos para as comemorações é a escolha da cor da roupa a se usar na ultima hora do dia do velho ano, primeira hora do dia do ano novo.
Mas será que tem algum significado de fato cada cor com o desejo?
Dizem que se usar branco atrai paz... Se fosse, nenhum médico ficaria em depressão, já que vivem de branco!
Se amarelo atraísse dinheiro, o pessoal do correio estaria rico já disseram por aí...
E se vermelho desse sorte no amor, resolvendo assuntos sentimentais, nenhum bombeiro se divorciava.
O verde é esperança e por aí vai...
O que sabemos mesmo é que não adianta começar o ano de branco e agir como se estivesse em trevas ou em luto o ano inteiro. 
O ano não tem nada de novo se nossos pensamentos não forem renovados e positivos, se não tivermos novas atitudes, se não tivermos mais esperança ao invés de espera. 
O ano novo poderá ser melhor sim, se formos melhores pais, melhores filhos, melhores esposas, melhores maridos, melhores funcionários, melhores patrões, melhores cristãos, enfim melhores irmãos.
Será sim um ano mais próspero e abençoado significativamente, se não repetirmos erros e não carregarmos mágoas dos anos passados.
Seria substancialmente um ano melhor se abraçarmos mais, elogiarmos mais, agradecermos mais, amarmos mais, deixarmos Jesus ser o centro de nossas vida, só assim a graça e a misericórdia do Senhor estarão conosco todos os dias até o fim do ano, do outro ano e do outro e do outro... Amém!

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Parecer


Desnecessariamente fazendo uma análise dos textos aqui publicados, obviamente escritos pela mesma pessoa, no caso eu, convém lembrar isso, já que são textos circunstanciais e por isso não fica bem claro a autoria dos mesmos, até mesmo por se tratar de um blog pessoal, alguns me perguntam, é você que escreve todos? (Pausa e um esboço de sorriso no canto da boca)... Sim, sou eu. Apesar de que, costumo dizer que sou escritora e não autora. 
Voltando ao fio que me trouxe até aqui hoje, dentre inúmeros motivos para isso, tenho uma razão específica agora.
Sei que escrevi sobre muitas coisas, situações, sentimentos, problemas, dores, alegrias, confusões, ilusões, certezas, incertezas, esperança, espera, felicidade, tristeza, sobre momentos etc... também sobre pessoas, mesmo sem mencioná-las, mas se lerem, saberão do que se trata, entretanto, talvez tenha sido em vão todas essas despretensiosas porém opiniáticas narrativas. 
Mas para observar cada caso, pensei agora no momento em que escrevo este texto, fazer uma avaliação de alguns textos e só assim compartilhando com você que está lendo poderei de fato saber se valeu a pena.
Eu comecei no myspace, fiquei três anos escrevendo por lá, mas a cinco anos estou aqui, são muitas coisas, vou selecionar de forma aleatória os textos e responder sobre o desfecho da história daquele circunstancial escolhido.  
Primeiramente vou falar sobre "Extremamente desamparada". Estava em confusão mental e afastada dos caminhos do Senhor, hoje estou usufruindo da graça de Deus e o único ser que me observa é o Espírito Santo de Deus.
"Eu sou". Hoje eu sei que não sou nada, Jesus e tudo em mim.
"Um lugar só meu". Em terapia comportamental nesta circunstancia, mas se tivesse na terapia de Cristo eu saberia que o meu lugar é á sombra do Onipotente.
"Amor incondicional". Bobagem, mas que deixo exposto pra me lembrar que amor incondicional é só o de Deus por nós.
"Viver é bom". É bom demais, não mudei e nunca mudarei esta palavra, que viver é bom e com Cristo é melhor ainda.
"Está por vir". Continuo pensando que Deus não fecha uma porta antes de abrir outra. Confie.
"Títulos". Texto bobo, mas necessário. Ainda não mudou.
"Espaço em mim". Pois em meio a insensatez, o amor encontrou espaço em mim, mas o desatino ainda terá fim.
"Vaidade". Foi o texto mais doloroso que escrevi, pois falava de mim com o coração a sangrar.
"Medo". Não tenho medo. Nem de amar e nem de sofrer!
E para terminar esta pequena avaliação, falarei um pouco mais sobre o texto chamado "Tempestade".
O que me incomodava tanto, já não incomoda mais... Mas nem sempre são tortuosos, nem sempre é tempestade, muitas vezes brilha o sol, pois, como disse o sábio.. A chuva sempre parou, a tempestade pode ser longa, assustadora, mas ela vai passar...
Só que até hoje a minha tempestade ainda não parou... Só que eu aprendi a dançar na chuva!
E termino aqui com lágrimas nos olhos, pois mesmo que aprendi dançar na chuva, por fora me veem sorrindo, mas por dentro sinto cada pingo como uma faísca de fogo queimando-me.