domingo, 8 de maio de 2011

Um lugar só meu.


Um lugar de refúgio, onde me encontro feliz. as cores não combinam são sem graça, mas agasalhadoras. Azul e bege, o azul é o mar e o céu, o bege é a areia da praia. Sempre chego ao por do sol, na verdade não vejo o sol, mas ainda não é noite, meus pés descalço pisam a areia fina desse lugar deserto que é só meu. Só o som das águas me acompanham. Fecho os olhos e vou processando memórias que até então desagradáveis e me causam dor e sofrimento, mas, no meu refúgio o que me causava tristeza com a gravidade que posso dizer de zero a dez, dez. Mas ao chegar ao final da caminhada de olhos fechados elas já não me machucam tanto, caem pra seis.
Volto ao inicio de tudo, fecho os olhos começo novamente reprocessar o que ainda me incomoda e no final do caminho novamente percebo que não me machucam tanto. Dessa vez caiu pra três. Continuo minha caminhada e agora de olhos abertos já consigo encarar as lembranças que a pouco ainda me traziam dor, me causavam crises existenciais, agora são só lembranças vazias e sem nenhuma importância, porque nesse lugar eu sou única, vitoriosa, nesse lugar eu sou rainha!
Postar um comentário