*

Minha vida,
meus sentimentos,
minha estética,
todas as vibrações
de minha sensibilidade de mulher,
têm, aqui, suas raízes.

Cora Coralina

(Yohana Sanfer)

"Não sei se viro menina, se viro mulher, se viro todas. Se viro santa, se viro doida. Quem sabe viro onça. Viro a mesa, viro o jogo, viro a página. Quem sabe levo a vida do avesso?! Quem sabe eu viro eu mesma. Mas pode ficar tranquilo. Eu me viro."


Participe da enquete a seguir!


Você acredita que os sonhos trazem mensagens para nossas vidas?
Sim, sempre dão certo com minha realidade.
Não, isso é uma bobagem!
As vezes tem alguma coisa a ver mesmo.
Não é apenas coincidência!
Sim, olho o significado de todos!



terça-feira, 9 de junho de 2015

Para quem escrevo


Era pra ser diário, os desabafos e desatinos expostos aqui.
Mas algo se perdeu, mudou o rumo da vaidade, já não me entregava como deveria, mas me abstinha, pois necessitava. O que era comum de se jogar ao vento acabou se tornando rançoso e não havia mais necessidade, então morri pra isso e não mais sentia vontade sequer de ler meus desatinos já publicados. 
Escrever pra que? Bastava apenas pensar, já que ninguém ia ler, se o objetivo de quem escreve é ser percebido, a necessidade de quem se expressa é evidenciar sentimentos, mas quando alguém se interessou pelos textos, pelo tom, pela vida, pela cor, pelo cheiro provável de quem escrevia aquilo que estava abandonado, jogado, largado, fadado ao fracasso. Então mudou novamente o rumo da vaidade, me jogando mais do que devo, desesperada por expor ideias, me entregando como nunca ao dom que outrora sufocado, já que não havia ideias nem desejo notável de escrever. 
Revivi desejosamente lendo, relendo, pensando e escrevendo, confesso que está difícil pensar em voz baixa, já que em erupção acordei, devido a presença expressiva, considerável, significativa e importante do "leitor".

Postar um comentário